QUEM SOMOS   I   CONTATO

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Juara/MT - 19 de Novembro de 2017
notícias
 Pol√≠tica
     
Delação de Silval vai gerar maior operação depois da Lava Jato, avalia ministro do STF

 O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, disse nesta quarta-feira (2) que a delação premiada do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) para o Ministério Público Federal (MPF) é “monstruosa”. Ele ainda não analisou, nem homologou as revelações de Silval, conforme publicação do jornal O Estadão. Segundo Fux, a delação do ex-governador pode resultar na maior operação realizada no país, depois da Operação Lava Jato. “Essa é monstruosa, depois da Lava Jato é a maior operação. Silval trouxe material, mas não foi homologada ainda”, disse o ministro a jornalistas, ao chegar para a sessão plenária do STF desta quarta-feira.


 

Silval confessou os crimes praticados durante sua gestão, entre os anos 2010 e 2014, para a juíza da 7ª Vara Criminal, Selma Arruda, no último mês. Ele estava preso desde setembro de 2015, em decorrência da Operação Sodoma, mas obteve o benefício da prisão domiciliar no dia 13 de junho. Entre os crimes praticados pelo ex-governador estão lavagem de dinheiro, cobrança de propina, desvios de recursos públicos. Silval foi apontado como o chefe da organização criminosa, que reuniu assessores e ex-secretários de Estado. O ex-governador confessou ter autorizado o esquema que culminou no pagamento de R$ 31,7 milhões para a desapropriação de um terreno no bairro Jardim Liberdade, em Cuiabá. Metade do valor (R$ 15,8 milhões) teria retornado como propina ao grupo criminoso liderado por ele.

 

Em outra fase da operação, o grupo teria cobrado propina de empresários para a manutenção de contratos com o Governo do Estado. O delator do esquema, o empresário João Batista Rosa, apontou que incentivos fiscais eram concedidos de forma irregular sob ameaça do corte do benefício, caso a propina não fosse paga. Silval também responde a processo da Operação Ararath, da Polícia Federal, na investigação da compra de vaga do Tribunal de Contas do Estado, que beneficiou o conselheiro afastado Sérgio Ricardo. Também em âmbito federal, o ex-governador foi citado pelos delatores da Lava Jato, os donos da JBS, Joesley e Wesley Batista, que apontaram terem pago propina a Silval para que incentivos fiscais fossem concedidos à empresa. Ele teria recebido R$ 30 milhões em propina.

 

A defesa do ex-governador informou que não iria comentar o assunto.




Fonte: reporter MT
 0 Coment√°rios  |  Comente esta mat√©ria!
 Mais Pol√≠tica
17/11/2017
14/11/2017
13/11/2017
10/11/2017
09/11/2017
08/11/2017
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
Artigos
Enquete

In√≠cio   -   Eventos   -   V√≠deos   -   Artigos   -   Empregos   -   O Povo Reclama   -   Recados   -   Conhe√ßa Juara
© 2017 - Juara Net