QUEM SOMOS   I   CONTATO

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Juara/MT - 23 de Novembro de 2017
notícias
 Economia
     
Governo de MT corta 30% de gastos extras com pessoal e 25% de telefonia

 CAMILA RIBEIRO 


 

O governador em exercício Carlos Fávaro (PSD) editou o decreto que estabelece medidas de redução e de controle das despesas públicas do Governo. Os cortes já haviam sido anunciados pelo governador Pedro Taques (PSDB) no último dia 3 e estão detalhados no Diário Oficial do Estado, que circula nesta segunda-feira (13).Entre as medidas está a redução de 30% nas chamadas despesas eventuais e extraordinárias com pessoal, entre elas as horas extras e as despesas com deslocamento de servidores.Também foi determinado o corte de, no mínimo, 25% das despesas com telefonia, além da redução de 10% no consumo de água, energia elétrica, aluguéis e outros contratos de despesas consideradas essenciais. 

“Os titulares das unidades orçamentárias que não atingirem as metas de economia definidas neste artigo estarão sujeitos a cortes de programas finalísticos de suas pastas para adequação às metas globais de economia estimadas”, diz trecho da publicação.

O texto diz também que as licenças para tratar de interesse particular somente poderão ser autorizadas em situações que não gerem a necessidade de substituição do servidor.Conforme o decreto, a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) liberará as cotas de programação financeira de acordo com a obrigatoriedade e a essencialidade da despesa de cada uma das secretarias.Os secretários e presidentes de órgãos e entidades do Poder Executivo estão proibidos, por exemplo, de apresentar qualquer proposta ou adotar providências que gerem aumento de despesas do Estado relativamente a gastos com pessoal, incluindo-se a reestruturação e a revisão de planos de cargos, carreiras e subsídios. 

Além disso, também estão suspensas as despesas decorrentes das seguintes atividades: 

- Celebração de novos contratos de custeio que impliquem em acréscimo de despesa; 

- Aditamento de objeto dos contratos de prestação de serviços e de aquisição de bens que implique no acréscimo de despesa; 

- Aditamento de objeto dos contratos de locação de imóveis e de veículos que implique no acréscimo de despesa; 

- Aquisição de imóveis e de veículos, salvo para substituição de veículos locados, desde que comprovada a vantajosidade; 

- Contratação de consultoria e renovação dos contratos existentes, admitindo-se prorrogação em casos excepcionais, devidamente justificados e submetidos à apreciação do CONDES; 

- Contratação de serviços considerados não essenciais para a atividade finalística do órgão ou entidade;

- Contratação de cursos, seminários, congressos, simpósios e outras formas de capacitação e treinamento de servidores públicos, inclusive instrutoria interna, que demandem o pagamento de inscrição, aquisição de passagem aérea, nacional e internacional, concessão de diárias e verba de deslocamento; 

- Aquisição de móveis, equipamentos e outros materiais permanentes, ressalvados aqueles destinados à instalação e à manutenção de serviços essenciais e inadiáveis, devidamente justificados e submetidos à Secretaria de Estado de Gestão - SEGES; 

- Aquisição de materiais de consumo, excetuando-se aqueles destinados ao desenvolvimento das atividades essenciais das unidades, cabendo à SEGES o acompanhamento e o controle do consumo de tais materiais; 

- Autorizações para concursos públicos, devendo ser reavaliadas todas as autorizações de concursos que ainda não se encontrem em andamento na data de publicação do decreto. 

Conforme o documento, as medidas não se aplicam aos serviços públicos considerados essenciais das áreas de saúde, segurança pública e educação e demais serviços voltados diretamente ao atendimento da população.

 “Grave crise” 

Carlos Fávaro citou que as medidas são necessárias em razão da “grave crise” econômica e financeira que o País atravessa.Ele citou ainda a frustração em R$ 1,7 bilhão na receita pública do Estado, acumulada até o mês de setembro.No decreto, Fávaro elencou também uma frustração de mais de R$ 500 milhões nas receitas correntes e uma queda nas receitas tributárias próprias de mais de R$ 300 milhões.Lembrou ainda que Mato Grosso foi “severamente prejudicado pela frustração”, em razão do não repasse de mais de R$ 681 milhões em transferências correntes recebidas da União.“A incerteza do momento em que ocorrerá o aporte deste recurso, que é um direito do Estado, o que acarreta problemas na gestão do fluxo de caixa pela Secretaria de Estado de Fazenda; Esse conjunto de fatores prejudica o fluxo de caixa e o pagamento das obrigações contraídas pelo Poder Executivo”, disse o governador.




Fonte: Midia News
 0 Coment√°rios  |  Comente esta mat√©ria!
 Mais Economia
21/09/2017
20/09/2017
19/09/2017
18/09/2017
17/09/2017
15/09/2017
13/09/2017
12/09/2017
06/09/2017
 menos   2   3   4   5   6   7   8   mais 
Artigos
Enquete

In√≠cio   -   Eventos   -   V√≠deos   -   Artigos   -   Empregos   -   O Povo Reclama   -   Recados   -   Conhe√ßa Juara
© 2017 - Juara Net